Francisco de Paula Carneiro

Capitão Carneirinho (1866-1944)

Francisco de Paula Carneiro nasceu em 1o de fevereiro de 1866, em Campos dos Goytacazes, filho de Francisco Eugênio Carneiro e Maria Genoveva Flores Carneiro.

 

O menino fez os primeiros anos de estudos em Campos. Aos 12 anos, se mudou para o Distrito Federal, onde estudou no Colégio São Luiz. No ano seguinte, foi morar com os tios em Outro Preto, onde concluiu seus estudos secundários. Passou um período como aluno da Escola Politécnica, retornando a sua terra natal para estudar “escrituras mercantis e contabilidade comercial”.

 

Em 1880 começou a trabalhar como guarda livros (contador), logo tornando-se um dos mais reconhecidos da cidade. Era um homem de contas, mas também muito interessado nos acontecimentos do mundo ao seu redor. Nutriu precocemente o desejo de ser empresário teatral.

 

No início da década de 1890, criou um curso de “Escrituração Mercantil e Contabilidade Comercial” e entrou  para a Companhia de Seguros São Salvador. Em 1892, Francisco se casou com Candida Pires Guimarães, com quem teria nove filhos: Sylvio, Aluizio, Paulo, Ivan, Yolanda, Celuta, Sylla, Carmen e Thylde.

 

O carinhoso apelido de Capitão Carneirinho surgiu quando recebeu de Floriano Peixoto o posto de Capitão da Guarda Nacional, depois de ter sido nomeado tenente secretário, em 1893.

 

Em 1905, fez sua primeira exposição de fotos no Moulin Rouge, dando publicamente a conhecer uma de suas paixões: a fotografia. Na verdade, era muito ligado a causas e experiências progressistas:  foi maçom, fez parte da Sociedade de Astronomia da França, foi membro da Sociedade Espírita Concórdia, suplente de Juiz e usineiro da cana de açúcar. Republicano, foi muito ligado ao grupo político de Nilo Peçanha.

 

Antes do Trianon, foi proprietário do Teatro Orion, inaugurado em 1913. Posteriormente, tornou-se administrador do Colyseo dos Recreios, outro importante estabelecimento de entretenimento de Campos. A essa altura, 1924, nas suas mãos se encontravam os três principais espaços de diversão da cidade. Poucos anos depois, contudo, sentiu os efeitos da crise econômica que se abateu sobre Campos e sobre o país, sendo obrigado a se desfazer dos empreendimentos. Resignado, retomou seu trabalho como guarda-livros.

 

Carneirinho morreu em 1944. Dada sua importância para a história de Campos, uma das principais ruas do centro da cidade foi nomeada em sua homenagem: Boulevard Francisco de Paula Carneiro. E sua principal obra, o Trianon, sempre ocupou espaço na memória campista.

© ARTE-FATO